Votos de Casamento – Mário Quintana

Em setembro fui a um casamento presbiteriano de uma colega de trabalho (muito bonito por sinal!), e fui impactada pelas palavras adotadas pelo pastor ao dirigir o momento em que os casais declaram os votos matrimoniais. Ao término da cerimônia fui procurá-lo e ele esclareceu que tratava-se de um texto de Mário Quintana. Pedi então que me enviasse por e-mail, e passados alguns dias, eis o texto enviado:

 

  • Promete não deixar a paixão fazer de você uma pessoa controladora, e sim respeitar a individualidade do seu amado, lembrando sempre que ele não pertence a você e que está ao seu lado por livre e espontânea vontade?
  • Promete saber ser amiga (o) e ser amante, sabendo exatamente quando devem entrar em cena uma e outra, sem que isso lhe transforme numa pessoa de dupla identidade ou numa pessoa menos romântica?
  • Promete fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados que não chegaram a se concretizar?
  • Promete sentir prazer de estar com a pessoa que você escolheu e ser feliz ao lado dela pelo simples fato de ela ser a pessoa que melhor conhece você e, portanto a mais bem preparada para lhe ajudar, assim como você a ela?
  • Promete se deixar conhecer?
  • Promete que seguirá sendo uma pessoa gentil, carinhosa e educada, que não usará a rotina como desculpa para sua falta de humor?
  • Promete que fará sexo sem pudores, que fará filhos por amor e por vontade, e não porque é o que esperam de você, e que os educará para serem independentes e bem informados sobre a realidade que os aguarda?
  • Promete que não falará mal da pessoa com quem casou só para arrancar risadas dos outros?
  • Promete que a palavra liberdade seguirá tendo a mesma importância que sempre teve na sua vida, que você saberá responsabilizar-se por si mesmo sem ficar escravizado pelo outro e que saberá lidar com a própria solidão, que casamento nenhum elimina?
  • Promete que será tão você mesmo quanto era minutos antes de entrar na igreja?
  • Sendo assim, declaro-os mais que marido e mulher: declaro-os maduros.

Ao trazer os votos para uma linguagem mais familiar e direta, talvez o pastor tenha conseguido fazer as pessoas entenderem as condições da aliança que os noivos normalmente fazem sem o perceber. Eu me lembro que, enquanto o noivo ia concordando com os votos que o pastor lia, uma tia da noiva, que estava logo atrás de mim, comentava: “A Bia encontrou o homem perfeito”! Sorriso

De fato, o casamento é um ato muito sério, no qual empenhamos nossa palavra em um pacto, quiçá, indissolúvel. Muitas pessoas têm se preocupado tanto com as cláusulas de contratos, quando o assinam, sem perceber que a aliança é um compromisso muito mais sério do que um contrato, e suas “cláusulas”, nada mais são, no caso do casamento, do que os votos e promessas que fazem os noivos.

Que as pessoas se conscientizem de seus atos, e assumam as responsabilidades inerentes a cada compromisso assumido. Que as pessoas valorizem a palavra que professam. Hoje em dia, graças a Deus, ninguém é obrigado a se casar, mas se fizerem essa escolha, que o façam com consciência e responsabilidade.

Beijinhos…

About these ads

Sobre Paloma Chaves

Mestre em Educação: Currículo pela PUC-SP, pedagoga, pesquisadora na área de avaliação de competências, especialista no uso pedagógico da tecnologia, consultora na área de educação e tecnologia, e professora da área de tecnologia no Colégio Visconde de Porto Seguro, Membro do Conselho Consultivo da ONG Instituto Paramitas. Reside em São Paulo e é casada com Eduardo Chaves.
Esse post foi publicado em Família. Bookmark o link permanente.

7 respostas para Votos de Casamento – Mário Quintana

  1. Alfredo disse:

    O texto acima…. é de Martha Medeiros.Martha Medeiros é uma jornalista e escritora brasileira. É colunista do jornal Zero Hora de Porto Alegre, e de O Globo, do Rio de Janeiro

  2. keila disse:

    keila Cardoso Joel esses votos sao pra voce meu amor .te amo.!!!!!!!!!!!!!!!

  3. Gostei muito dos votos!!!
    Olha, vivi esse Amor Maduro…até que a morte nos separou.

  4. Sílvia disse:

    Gostei muito da sua postagem, era o que eu estava procurando. No entanto, fica o alerta: o texto não é do maravilhoso Quintana e sim da Martha Medeiros, publicado em seu livro “Montanha-Russa”. A escritora fez o esclarecimento eu seu blog. É normal a confusão, vários textos dela são atribuídos a ele, mas é bom dar os créditos certos. Abraços!

  5. belaisa28/04/12 disse:

    adorei pode ser de quem for mas tem tudo a ver com a vida conjugal bem resolvida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s